31 de outubro de 2015

FUTEBOL SEGURO É NO SOFÁ DE CASA




Por
Riva








Rodrigo “Rodo” Barros é um escritor fluminense, autor de livros, contos e poesias. Reside em São Paulo, e freqüenta o Twitter desde 2009. Sou um dos seus 2.345 seguidores.

Quem quiser segui-lo no Twitter, acesse @rodoinside. Ou veja seus contos em http://www.rodoinside.com.br/.

Decidi compartilhar seu post aqui no nosso GE em razão da gravidade do evento que ele presenciou na Allianz Parque do Palmeiras essa semana, nas arquibancadas do jogo Palmeiras x Fluminense, que culminaram com o óbito de um torcedor do Fluminense.

O fato está sendo pouco explorado pela mídia, sabe-se lá porque .... que não sejam as mesmas supostas razões da quase uma dezena de penalties a favor do Palmeiras nos últimos jogos, assunto esse largamente debatido pelos jornalistas esportivos da ESPN essa semana.

Comecei a freqüentar estádios de futebol em 1960, quando meu tio me levou ao Maracanã para assistir a final Fluminense x América, de amarga recordação. Meu pai, que era América, não foi ao jogo, e com isso não assistiu à última grande conquista do seu time de coração.

De lá para cá, talvez uma centena de partidas assistidas, sem brigas, sem mortes, só alegrias e tristezas com os resultados das partidas.

Leiam o post do Rodrigo, e me digam se ainda vale a pena acompanhar seu time do coração fora do sofá .....


O meu prazer agora é risco de vida
Por Rodrigo “Rodo” Barros

Não lembro a primeira vez em que estive em um estádio para acompanhar uma partida de futebol. Meu pai tinha por hábito me levar desde bem pequeno ao Maracanã. Naquela época, era comum as torcidas se sentarem lado a lado. Não entrarei no mérito sobre o que levou as torcidas serem separadas. Quando isso ocorreu, era apenas por uma corda, algo mais simbólico que uma separação de fato.

Os tempos hoje são outros, as mazelas da nossa sociedade passaram a refletir de forma ainda mais intensa no esporte de maior popularidade do País. O nosso futebol absorve tudo de equivocado que ocorre em nosso dia a dia e, ando bem cansado do que acontece em nosso País. Fico com a impressão de que carregamos conosco o DNA da corrupção. Todo instante percebo uma tentativa nova de ser ludibriado por outrem, seja um troco dado de forma equivocada, um taxímetro adulterado, uma nova tentativa dos nossos governantes em criar leis que só os beneficiam e, no esporte isso não seria diferente.

Não sou inocente ao ponto de acreditar em erros de arbitragem constantes sejam ao acaso. Muito menos que isso ocorra para todos os clubes. Não ocorre. Ocorre de forma sistemática para os mesmos clubes, passando em branco pela imprensa esportiva, que finge não ter noção do certo e do errado para que com isso ajudar o “sistema” a se manter, exatamente como ocorre no cenário político.


Acontece a olhos vistos, estádio sendo construído com dinheiro público e entregue de mão beijada a um dos clubes de maior torcida. Alguns recebendo patrocínio de empresa pública, com a TV distribuindo cotas três vezes maiores que a de seus adversários e para colocar uma cereja no bolo, os erros de arbitragem que os mantém em um ritmo constante de vitória ainda que não estejam em seus melhores dias.

Sempre me pego pensando porque ainda insisto nisso. Já não é mais um lazer, não há mais prazer. É um estresse constante acompanhar futebol. Como costumamos dizer, temos que ganhar “contra tudo e contra todos”. Deveríamos lutar somente para ganhar na bola e dos nossos adversários, não deles e da arbitragem, da imprensa, dos patrocinadores e das federações. Se assistimos a uma partida na casa do adversário, todos esses problemas se ampliam.

Enquanto torcidas organizadas, repletas de marginais, são escoltadas até o estádio, o torcedor comum é tratado como bandido, com a truculência policial, com a violência dos adversários, e com preços superfaturados para transformar o sentimento pelo clube do coração em mais uma maneira de lesar o próximo.

Ingressos a preços surreais, falta de estrutura, ruas fechadas, estacionamento custando metade do valor do ingresso e sempre com o risco iminente. Esse foi o cenário que encontrei no Allianz Parque para assistir a segunda partida da semifinal da Copa do Brasil de 2015. O ingresso custava 120 Reais, o estacionamento do shopping ao lado estava inacessível, porque todas as ruas estavam fechadas pela polícia, tomadas por torcedores e ambulantes trabalhando sem alvará da prefeitura. Um trajeto que faço sempre, pois resido em São Paulo, estava fechado. Fechado pra mim e para os diversos moradores e trabalhadores da cidade. Após pagar 40 Reais para estacionar em um local que assim como os ambulantes não tinha alvará de funcionamento, adentrei ao novo estádio do Palmeiras.


Já o conhecia, fui a um show do Paul McCartney no local, com muito mais expectadores que o da noite de quarta-feira, mas sem rua fechada, sem policiais dispostos a agredir o público a qualquer momento e sem fãs de outro estilo musical querendo me agredir apenas por ter um gosto diferente do dele. No decorrer da partida o de sempre. Erros de arbitragem, jogando “contra tudo e contra todos” e no fim uma desclassificação nos pênaltis, vida que segue. Fiquei preso por mais de uma hora dentro do Allianz Parque porque a logística (?) de segurança, mantém os torcedores adversários presos no estádio, enquanto a torcida da casa, que comemorava a classificação podia ir embora livremente. Não precisa ser muito inteligente para saber que é o cenário ideal para uma emboscada. Algo mais do que comum na capital paulistana.


Para coroar o cenário de horror, um torcedor do Fluminense passou mal nas arquibancadas. Outros tricolores apelavam de forma desesperada para que os policiais chamassem o socorro, já que nenhum funcionário do Clube ou do Estádio estavam por perto.  Ouvíamos os policiais respondendo com certo desdém “Não sou médico, não posso fazer nada, sai pra lá”, já ameaçando uma agressão caso algum torcedor tentasse ultrapassar o corredor por eles organizado. Depois de muito apelar, um bombeiro do Estádio apareceu e foi conferir o homem que estava deitado recebendo os primeiros socorros de outro torcedor, que por coincidência era médico. Não havia maca, demoraram a descobrir onde a maca estava guardada. Cerca de vinte minutos depois, finalmente, o torcedor foi carregado para o primeiro atendimento. Hoje recebemos a notícia de seu falecimento.



Diferente do que afirmou oficialmente a diretoria do Palmeiras, o torcedor não recebeu pronto atendimento, muito menos deixou o ambiente acordado e respondendo a estímulos. Não sou médico, não posso afirmar que ele sobreviveria, mas suas chances diminuíram bastante após ter sido negligenciado apenas por ser um torcedor adversário. Se policiais estivessem mais preocupados em atender a população do que ameaçá-la, talvez tivesse uma chance, mas ele não teve. Flávio Mendes faleceu porque poucas coisas funcionam nesse País e nada, ou quase nada, vai mudar. Não mudou com o incêndio na boate Kiss, no Sul do País, e nem com a morte do jogador Serginho, do São Caetano ou a queda do alambrado de São Januário na Copa João Havelange.

O falecimento de Flávio reforçou um pensamento que já carregava comigo há algum tempo e que estava quase em definitivo na noite de ontem. O futebol de hoje tem pouco a me oferecer. Não há prazer algum em ser “roubado” na bilheteria ou em campo. Perdi o gosto de ir aos estádios e espero que a minha paixão pelo Fluminense não seja maior que meu bom senso, pois o que aconteceu ao Flávio, poderia ter acontecido comigo. O que aconteceu no Allianz Parque poderia ter acontecido em qualquer outro lugar, porque o torcedor é o que menos importa para aqueles que administram o nosso futebol.


Se antes só me sentia ameaçado por marginais travestidos de torcedores, agora, com quase quarenta anos, a ameaça é outra.

Posso vir a ter o mesmo fim de Flávio, que faleceu aos 51 anos, por negligência e falta de interesse pela vida alheia. Como diria o poeta, o meu prazer agora é risco de vida e a minha vida vale mais que isso. 

11 comentários:

Jorge Carrano disse...

Riva,
Assisti a este jogo também como torcedor do Fluminense (pontualmente, interesseiramente).
O Fluminense se assustou com a intensidade, a pegada, a gana com que os jogadores do Palmeiras se atiraram ao jogo no início.
No lance do primeiro gol, a bola caminhava para sair pela linha de fundos e a defesa do Fluminense ficou aguardando. Dois levantaram os braços pedindo não sei o quê. Um jogador da Palmeiras acreditou, alcanço a bola antes dela deixar campo de jogo, cruzou na área e foi o que se viu - GOL.
O segundo também foi fruto de desatenção, de estar ligado em 110 e o adversário em 220.
No segundo tempo os papeis se inverteram. O Fluminense voltou com outra postura, outra entrega. Sufocou o Palmeiras e poderia ter decidido a classificação se o Fred não estivesse a meia-boca, visivelmente sem condições. O chute dele, defendido pelo Prass sairia mais potente e preciso se estivesse bem fisicamente. Fred é um bom centravante (matador, definidor) e tem intimidade com a bola.
Já comentei e repito, se o Vasco tivesse o Cavalieri e o Fred estaria brigando pela Libertadores.

Quanto as brigas em estádios elas aconteciam quando eu frequentava. Eram brigas de "sair na mão". Tapas para lá e para cá, até que a turma do deixa-disso separasse. Alguns pequenos hematomas era o que restava.
Só que a agressividade, a violência, cresceu e se generalizou. Mata-se em brigas no trânsito por motivos tolos. Mata-se por um par de tenis. Tiros e facadas foram vulgarizados.

O problema é um só: impunidade. Na Inglaterra os hooligans foram enfrentados com rigor. E muita punição. Ainda tem uma ou outra briga, mas os valentões são severamente punidos.
Com a classe política que temos (composta de corruptos e ladrões como regra geral) não há autoridade moral e nem vontade política para enfrentar o problema.
Sem contar que alguns dirigentes alimentam a violência de suas "torcidas" organizadas. Verdadeiras quadrilhas.

Jorge Carrano disse...

O Allianz Parque foi construído por empresa privada, a WTorre Properties/Arenas, do Grupo WTorre.

Há um contrato entre a empresa e o Palmeiras, que não consegui entender direito. O fato é que o estádio (arena multiuso) é do Palmeiras, mas ao mesmo tempo não é (rsrsrs).

Diferente do Itaquerão (do Corinthians) este sim construído com financiamento público.

O Morumbi, do São Paulo, é particular, desde sempre. Como São Januário.

Riva disse...

Deixei de ir aos estádios porque tenho um temperamento um pouco estourado. A falta de educação me afeta profundamente, e se me atinge diretamente reajo muito mal.

Últimas experiências foram muito ruins, inclusive em shows com muita gente. No trânsito acho que já me acalmei, porque não posso mais reagir como fazia há uns 15 anos.

Levei anos para convencer minha esposa a ir a um show de rock, e na 1ª vez assistimos um cara morrer perto de nós, agredido por uma horda, na Apoteose. No Maracanã e em São Januário já passei por situações complicadas, infelizmente acompanhado, e não é legal, porque vc tem que tomar uma atitude, não pode passar em branco.

Mesmmo assim ainda ando muito alterado com as coisas erradas, e sinto que preciso rever minhas atitudes.

Então, não vou mais. É sofá mesmo.

Não sei se Freddy se lembra, mas na nossa obra Anette, tem uma passagem em que, há muitos anos, menciono jogos do Brasileiro em que só a torcida do mandatário do campo assiste o jogo, com regras estranhas ... ataque x defesa. Não tem 22 em campo. Um novo futebol, em estádios muito menores, novas regras, adaptado à violência reinante e existente.

Estamos chegando lá.

Carlos Frederico disse...

A falta de humanidade, fruto de atitude burocrática da "autoridade policial", é generalizada. Digo eu que é resultado da base, de onde esses policiais vieram, como são comandados, impunidade nos exageros e, como se não bastasse, ou principalmente, o exemplo das autoridades superiores.
Não dá mais para vier no Brasil, especialmente em grandes cidades ou suas periferias. Não sei o que fazer... Já tentei a serra e não deu certo... Raízes, fortes raízes impedem a mudança...

Riva disse...

Em tempo, para quem não sabe : DEL NERO, atual presidente da CBF, que não sai do país com medo do FBI, é torcedor ferrenho do ... Palmeiras. Para bom entendedor, .....

O outro, que está preso na Suiça, deve ser torcedor Daquele Time do Mal.

Um Brasil Bandido, com um 7x1 sem fim. Ontem fui numa farmácia e pedi um remédio. Me cobraram 13 reais. Achei absurdo o preço, porque minha esposa tinha comprado a 8 reais outro dia. Reclamei e o cara deixou por 11. Disse que não queria. Fez então por 8 .... estamos falando de um desconto de 38% em 15 segundos de conversa !

Jorge Carrano disse...

O país está assim. Oportunistas, corruptos e corruptores, safados, bandidos, ladrões, sonegadores. Tudo porque o exemplo vem de cima, do governo central, e a impunidade campeia. Como pode a PGR recuperar 2,4 bilhões e Lula e Dilma não estarem, desde já, na cadeia? Não há nada que milite a favor deles. Uma era presidente do conselho de administração da estatal cerne do roubalheira, e o outro presidente da república "muito mal informado", com todo o aparato de segurança institucional a seu serviço. Não sabia de nada na Petrobrás e nem no escândalo do mensalão, que era articulado no gabinete ao lado do seu no palácio do governo, sob o comando de seu ministro da casa civil, o tal Zé Dirceu. Se os corruptos assumiram é fácil identificar os corruptores. Falta o quê?

Riva disse...

... e olha que ainda não abriram a Caixa Preta do BNDES, de onde veio muito dessa grana toda que foi roubada !!

Não é mais institucional qualquer solução ... esse negócio de "vamos tirar no voto" não vale para republiquetas presidencialistas.

Riva disse...

Depoimento do médico que atendeu o Flávio na arquibancada :

http://espn.uol.com.br/noticia/554543_medico-que-atendeu-torcedor-do-flu-da-sua-versao-para-incidente-no-allianz-parque

Carlos Frederico disse...

O comerciante que ainda está aberto tenta tirar o prejuízo em cima dos otários que ainda consomem. Os preços de itens para o Natal estão pela hora da morte - e a desculpa de que são importados é fajuta, porque se o dólar cair os preços não cairão. É mero oportunismo.

Ontem, fui petiscar no Queen Jardim (rede Paludo). Iscas de frango passaram de 31,90 para 40,00. As de mignon de 48 para 57. Porção de bolinhos de bacalhau a 40 e refri em lata a 6,50. ASSALTO ! Não há a mínima justificativa para aumento percentual tão abusivo a não ser os otários frequentadores. Caí nessa por acaso, com o calor entrei no que tinha ar condicionado...

Riva disse...

e para acrescentar .......

Custo final da Copa do Mundo de 2014: 30 bilhões de reais no lixo, um vergonhoso 7x1 e vários estádios hoje sem uso.

FATO : não sair de casa para consumir, até caírem na real. Ser muito seletivo em supermercados e farmácias. NÂO PAGAR ISSO

Jorge Carrano disse...

O que diz o médico que deu o primeiro atendimento.

http://espn.uol.com.br/noticia/554543_medico-que-atendeu-torcedor-do-flu-da-sua-versao-para-incidente-no-allianz-parque