11 de outubro de 2015

Cappuccino

Eu sei, eu sei, todo mundo já sabe fazer cappuccino em casa. E a internet está cheia de receitas.

Mas vira e mexe alguém em nossa casa pergunta para Wanda: como é que você faz?

Aqui vai a receita. Quando alguém perguntar sobre a receita mando entrar no blog, pesquisando pelo nome : cappuccino.



Tem umas máquinas de fazer café, muito em moda, que até são práticas mesmo. Coloca-se a água na medida, segundo o dosador do recipiente; coloca-se a cápsula do tipo de café desejado e ... pronto!

Mas afirmo que não fica tão bom, no paladar.

Algumas das regras, dos tabus, também merecem considerações: por exemplo, quanto ao uso de achocolatado (Nescau ou Toddy, por exemplo), ao invés do chocolate em pó. Nós fazemos, em geral, com Toddy (atenção PepsiCo, pode depositar o cachê do comercial em minha conta no Brasil mesmo).


A canela é de uso facultativo, eu gosto. E dá para fazer com adoçante, no lugar do açúcar convencional. Aí já fica a seu critério. E, neste caso, use o leite desnatado, no lugar do integral.


Claro que você pode ir ajustando a receita ao seu paladar. Ou ao de quem manda na casa (rsrsrs). Faça uma receita com chocolate; de outra vez faça com achocolatado. 

Depois da mistura pronta (misture tudo numa tigela)  você pode peneirar e só então colocar no recipiente (pote) do qual irá tirando a medida para cada xícara. Nós não peneiramos, pois achamos legal o granuladinho do café solúvel. Misturamos bem os ingredientes na tigela com uma colher de pau. Até o pó ficar homogêneo, bem misturado.

A medida padrão para o preparo do café é de duas colheres das de sobremesa para um xícara de água fervente. Eu prefiro um pouco mais encorpado, digamos duas e meia colheres.

A receita leva:
- uma lata ou um pacote de 400 gr. de leite em pó integral.
- duas meia colheres das de sopa de chocolate (ou achocolatado, lembra?
- três e meia colheres de café solúvel.
- três xícaras das de chá de açúcar (ou adoçante, lembra?)
- uma colher das de sobremesa com bicarbonato.
- uma colher das de chá com canela em pó (opcional)

Como você, atento, pôde perceber, não há uma receita pronta e acabada para todos os paladares. É assim mesmo, vá justando ao seu.

No verão já não tomo tanto este café, ou qualquer outro.

Notas do editor: Na Itália, onde tive oportunidade de tomar este café, ele é feito basicamente com café expresso e leite. Só que parte do leite é vaporizado, formando pequeninas bolhas de ar que por sua vez criam uma espuma que confere a textura cremosa característica. Não leva chocolate de forma alguma.
Logo, esta receita caseira é uma adaptação, digamos uma fraude. Mas que deu certo.

11 comentários:

Jorge Carrano disse...

Deixemos o cappuccino de lado e vamos abrir um espumante.
A lama já alcançou os pés do Lulinha.
E o mar de lama continua em expansão. Chegará o momento em que irá soterrar muita agente que se acha acima do bem e do mal.

Boas notícias melhoram nosso astral. Que domingo lindo, gente!

Carlos Frederico disse...

Aproveitando que é domingo, que tem Food Truck Festival no Campo de São Bento e que eu sou chegado a fazer "comentário de pobre" (crítica ácida de minha esposa), lá vai:
.............
O Food Truck Festival no Campo de São Bento deveria ser um evento onde os restaurantes, bares e botecos apresentariam itens de seu cardápio de uma maneira promocional, para que a gente os quisesse frequentar depois. Contudo, os preços são altos. Sempre altos!
Bebida então nem falo... É onde o comerciante gosta de tirar o seu lucro, de modo que você sai do Campo de São Bento literalmente esfolado! Uma micro-taça de espumante a 15 é nada menos que um assalto. Lata de refri a 6, Stella a 10... Outras cervejas especiais custam um preço abusivo. Quem, como eu, conhece onde comprá-las ou mesmo comparando com preços em restaurantes bem estabelecidos, vindo gelada na mesa, sabe que estão caríssimas.
Talvez fosse mesmo de se esperar isso num evento em terra de coxinhas, pleno meio de Icaraí... Esfolar o pessoal faz parte! Só que em feriadão o niteroiense abastado foi-se embora e quem aqui está é quem não con$eguiu viajar ou... bairros e municípios vizinhos... muito menos abonados...
Creio que venderão menos que o esperado, apesar do jeitão de feira cheia.
Nossa distância de eventos similares em 1º mundo ainda é muito grande, o olho maior ainda, pois o lucro fácil está na genética brasileira.
.............
Acho que tem barraquinha vendendo cappuccino... Vou conferir hoje!
Bom domingo a todos!

Jorge Carrano disse...

Inteiramente de acordo, Carlos Frederico. O conceito do "food truck" entre nós é diferente do resto do mundo.
Eles primam, lá fora, pela agilidade no atendimento e o baixo preço, por uma refeição rápida. Os custos de operação são baixos. Nada justifica cobrar caro por um cachorro quente.
Entre passeios, se somos turistas, não perdemos tempo entre um programa e outro. Comi peixe com fritas em Londres e salsichão em Berlim. Nada gourmet, mas bem preparados e baratos.
Em Montevideo, onde chamam de "pancho" come-se bom e barato cachorro-quente. Assim como "choripan" (que vem a ser pão com chouriça). E alfajor em Buenos Aires.
Se é para pagar mais e experimentar a culinária local, o melhor é escolher bum bom restaurante e jantar.
No momento estou preferindo os crepes. Existem várias franquias inclusive uma bem perto de onde moro.

Ana Maria disse...

Festivais de Food Truck foram criados para levar às ruas a nova maneira de apresentar a gastronomia. Restaurantes que estavam com baixa margem de lucro devido aos custos de manutenção de casas e funcionários, aproveitam o modismo para poder fornecer boa alimentação com preço que possibilite maior retorno.
E onde colocar esta proposta? Ninho de coxinhas. Pessoas abastadas que podem se dar ao luxo de pagar 30,00 num hotdog, só pela grife.
Diferente de Festivais Gastronômicos onde a proposta é apresentar um cardápio especial para o evento, com preço baixo.
Aqui em Teresópols esta acontecendo um desses Festivais. Restaurantes oferecem três cardápios _ entrada, prato principal e sobremesa - pela módica quantia de 26,00. Claro que vão descontar nas bebidas, mas objetivam tentar atrair possíveis futuros clientes.
Semana passada foi a vez do Food TRuck aqui na cidade. O maior sucesso.
Hum! Talvez seja uma cidade de coxinhas.
Aliás, o que vcs entendem por "coxinha", além da designação de um delicioso salgadinho?

Ana Maria disse...

Em tempo. O Capuccino da Wanda é delicioso. Além de ter sido presenteada com uma lata cheinha, ainda replicamos sua receita aqui em casa.

Kayla disse...

Para quem gosta de eventos ao ar livre o Food Trck é uma maravilha.
Vira uma festa ao redor deles.
De vez em quando busco essa alternativa. No fim do mes vou na carricinha mesmo.ashuashuashuashua

Jorge Carrano disse...

Teve oktoberfest em Blumenau neste final de semana.

Pois é, Kayla, qual é a diferença entre comer num chamado food truck e comer um acarajé que a baiana vende em seu tabuleiro? É comida feita na rua também. Assim como o algodão doce e a pipoca das carrocinhas.
A diferença? O preço.

Eu não pago R$ 20,00 num cachorro-quente (sud dog) só porque feito no food truck da Roberta Sudbrack, mesmo com suas três estrelas no Guia Quatro Rodas.

Carlos Frederico disse...

Já fui a um food truck festival na Barra da Tijuca com amigos e não comi nada. Recusei-me a entrar em fila de hamburguer só porque era um evento.

Já na Bauernfest de Petrópolis que não é classificada como food truck mas funciona como se fosse, os preços nesses dois últimos anos eram um pouco mais educados. Dava pra comer e beber, e ainda degustar uns doces interessantes.

Esse do Campo de São Bento, faça-me o favor... Estão esfolando! Exceções sempre há, claro. No Empório del Gusto (dos irmãos Bruno e Carmine Marasco, ref restaurante Da Carmine), uma porção educada de fusilli al pomodoro, basilico e bacon, feito num tacho de grana padano, estava a 15. Razoável...

Posso recomendar também o sanduba do Torna Pub, uma preparação de pernil cozido lentamente e desfiado, depois refogado no próprio molho, num pão de hamburguer artesanal e cama de fritas palha.

Riva disse...

Eu estou com a Kayla.

O lance é a confraternização público, restaurantes, bares .... em Friburgo tem música ao vivo também, para complementar. E eu, confesso, não resisto àqueles (com crase, viu, Profª Rachel ?) hamburgers grossos, saborosos. E acabo pagando. O hotdog da Roberta babo só de ver as fotos. Um dia vou conferir.

Sim, porque se existem algumas gordices irresistíveis, no meu caso são : hotdogs, hamburgers e pastéis de boi ralado ....

Mas pecamos pela infraestrutura aqui em Niterói. Hoje passei perto, agora, chegando de Friburgo, e está insuportável. Não me convidem para ir lá !! rsrss

Bom feriado pra vcs !

Carlos Frederico disse...

A propósito de feirinhas típicas, na Rua Leandro Motta (polo gastronômico do Jardim Icaraí) vai ter uma festividade típica alemã por conta da Oktoberfest a partir do dia 15 próximo. Pra começar: cervejas especiais só da Bohemia (nem te conto o preço) e alguns pratos típicos.
Aproveitando que Carrano falou em cachorro quente da Roberta Sudbrack, o Spicy (mero boteco da região) vai eleger um cachorro quente como atração em sua barraca: R$ 31,90.

Pra não dizer que não quero ajudar: no Queen Jardim, plena Rua Leandro Motta, pelos mesmos R$ 31,90 você come um imenso prato de iscas de frango empanadas com molho barbecue, batatinhas noisette e farofa. É um almoço pra dois!

Se passar pela mesma rua depois das 17h, em vez de parar na "principesca" barraca da Bohemia, entre no Armazém São Jorge. Se vai pagar caro pela cerva, que ao menos seja uma cerva decente. Tem uns 100 tipos...

Ou seja, em vez de curtir as barracas da Oktoberfest, experimente o japa, o peruano, o mexicano, a creperia, os vários botecos, as cervas do armazém, etc etc... Andando mais uns 100m você acha a Devassa. Seu festival alemão consta de um pratinho de salsichas com mostarda e, bebendo 6 chopps de 300ml leva de brinde um caneco comemorativo. Vale para a mesa, não precisa ser uma só pessoa a fazer "a violência".
<:o)

Jorge Carrano disse...

Lula quer insinuar que os fins justificam os meios.
Por isso admitiu as pedaladas de Dilma:

http://g1.globo.com/politica/noticia/2015/10/lula-diz-que-dilma-fez-pedaladas-para-pagar-bolsa-familia-e-minha-casa.html

Pode isso, Arnaldo?