1 de março de 2016

Educação alimentar, tem coisa mais abominável?

Minha mulher volta da consulta com a nutricionista e decreta: a partir de segunda-feita vamos começar uma dieta.

Como assim, cara pálida? Explique-se melhor ...

Trouxe uma lista de coisas proibidas e uma outra de ingestão recomendável. Já trouxe algumas coisas que precisamos comer e vou preparar um cardápio mensal.

Claro que se vivemos os dois em casa, o que ela comer terei que comer. 

Não é preciso dizer que na tal lista de proibições consta tudo que eu gosto. Seria o mesmo que eu fazer uma consulta com a dietista e ela me mandar falar tudo que eu como normalmente. Ao final da enumeração ela diria: está pronta a lista do que você não pode mais comer. Muito condescendente acrescentaria: mão é que não pode comer, não pode comer sempre e em excesso. Uma vezinha ou outra, moderadamente pode.

Compreensiva ela, não?

Como já conheço esta lenga-lenga jamais fui a nutricionista porque sei que não seguirei as recomendações. Elas, as recomendações, são a negação do prazer alimentar. Está bem, de comer, se é mais correto.

Minha cardiologista bissexta já me alertara há muitos anos para eu me preocupar com uma alimentação saudável, porque minhas taxas (colesterol, triglicérides, glicose) estavam no desvio padrão, fora da curva ideal, muito acima.

Bem, convivi com estas taxas elevadas ainda por muito tempo, até que um AVC, em 2010, teve como consequência uma bateria de exames. Um mini check-up. E os exames de sangue, depois de tirados 10 litros e com resultados impressos em 32 laudas de papel em formato A4, com letras em corpo 12, apontavam vários resultados preocupantes. Aqueles mesmos: colesterol, triglicérides, glicose, deficiência de vitamina D, ou seja, todo cuidado será pouco, diagnosticou o cardiologista de plantão no hospital e ao qual recorri, depois da alta, em seu consultório particular (via plano de saúde).

Desconsiderados os exageros da quantidade de sangue e da quantidade de laudas do resultado (agora ficam disponíveis na internet, no website do laboratório), que devem ser considerados licença poética, o fato é que realmente estava em perigo.

O médico declarou que eu estava em vários grupos de risco: não me alimentava corretamente, não praticava exercícios físicos, vivia estressado, não tirava alguns minutos para relaxar, enfim tava me arriscando a um infarto, outro AVC com sequelas graves, ou até a morte.

Todavia, mais pragmático do que a antiga e zen cardiologista, falou na minha cara que não adiantaria ele recomendar dieta, exercícios, etc, porque: 1) eu não seguiria; 2) mesmo que seguisse, os níveis eram tão elevados que somente com medicação baixariam ao limite do aceitável. E aí tomei, por 4 meses, o Crestor 10mg. Parei por minha conta e risco.

Mas voltando à consulta da minha dedicada mulher, parceira de 51 (boa ideia) anos e as recomendações de sua (her) nutricionista. O que vai sobrar para mim, durante um certo tempo, é ficar privado de pastel com caldo-de-cana. Até isso!

Ainda bem que conhecendo, como conheço Wanda, há muitos anos, não serão razões estéticas que nos condenarão ao "regime" perpétuo, já que eu preferiria a pena máxima: morte.

Já pensou você saber que da pizza semanal, de massa fina e borda bem crocante, tirante o azeite abundantemente derramado sobre ela, tudo o mais faz mal ou engorda? Como conviver com este sentimento de culpa e ser feliz?

Nota do editor: não foram apenas motivos estéticos que levaram minha mulher à consulta com dietista. A coluna está sacrificada. O ortopedista e a cardiologista recomendaram. São uns tiranos estes médicos.

15 comentários:

Jorge Carrano disse...

Até ha uns dias estava evitando compromissos na parte da tarde, que me obrigassem a ir as ruas. O sol andava inclemente.

De uns dias para cá, estou evitando compromissos na parte da tarde, por causa das fortes chuvas que inundam a cidade.

Somos eternos insatisfeitos.

Jorge Carrano disse...

Uma analogia forçada.
O sujeito que ganhou dez milhões, de uma hora para outra estava quase na miséria. Indagado como conseguiu gastar tanto dinheiro, respondeu. Bem, metade gastei com bebidas e mulheres ... a outra metade desperdicei.

Tirante os hipertensos e os diabéticos que efetivamente precisam tomar certos cuidados alimentares, não comer o que gosta para viver mais um ano, ou seis meses, compensa?
Sei não. Ficar privado de comer é mais ou menos como abdicar de viver intensamente.

Como disse Woody Allen ao verificar o esforço das pessoas na academia: prefiro a atrofia.

Jorge Carrano disse...

Êta Dilma e sua política econômica voltada para a reeleição, além de tudo calcada na corrupção.

Essa canalha ultrapassou todos os limites.

http://epocanegocios.globo.com/Dinheiro/noticia/2016/03/com-crise-brasil-perde-23-bilionarios-no-ranking-mundial-da-forbes.html

Estou me lixando para os bilionários. Estou preocupado é com meu inquilino que está em dificuldades para pagar o aluguel, com meu vizinho que perdeu o emprego, com os lojistas que estão fechando as portas de seus estabelecimentos e outros problemas do gênero.

Por isso vou para a rua engrossar o coro: FORA DILMA!

Jorge Carrano disse...

O nó está apertando. O que falta para o impeachment?
O povo na rua gritando: FORA DILMA!!!!

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/03/1745018-andrade-diz-ter-pago-ilegalmente-divida-de-campanha-de-dilma-em-2010.shtml

Jorge Carrano disse...

A solução para a dieta é dormir menos (KKKKKK).

http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/dormir-pouco-afeta-apetite-da-mesma-forma-que-maconha-diz-estudo-18777410

Jorge Carrano disse...

Gilmar Mendes não é nada, o melhor são os empreiteiros que começaram a falar.

https://www.youtube.com/watch?v=ZWdJkLyEZU0

Ana Maria disse...

Minha sábia avó Ana, costumava dizer que o sono alimenta. Essa opinião é compartilhada por outras mães que não tendo como alimentar a prole, distribui um pouco de água com açucar (quando tem) e coloca os filhos para dormir cedo.
Eu não sou contra a reeducação alimentar. Sei o quanto a alimentação interfere em nossa qualidade de vida. Já consultei uma dezena de nutricionistas. Como tenho tendência a obesidade, passei a maior parte de minha vida fazendo dietas. Se somados os quilos perdidos neste efeito sanfona, devo ter eliminado uns 100 kg.
Diferentemente do manager, minhas taxas são excelentes. Aualmente apenas a deficiência de vitamina D me incomoda. E ainda divergindo do adminisrador do blog, acho que existem muitos outros prazeres além dos da mesa.

Jorge Carrano disse...

O manager não disse que comer é o maior dos prazeres da vida e sequer que não existem outros até melhores.

Falei de viver intensamente, fazendo tudo de bom, inclusive comer, sem restrições, pela via oral.

Enfim, respeito as pessoas que têm força de vontade, perseverança, e conseguem resistir aos prazeres da mesa.

Riva mais leve ... disse...

Prazeres da vida ! Eis um tema interessante, porque cada um, em sua idade, tem uma leitura e um sentimento diferentes.

Pedaladas ou pedalinhos ?
O que é mais legal ?
Andar de bicicleta por uma trilha bonita, ou de pedalinho, num belo lago ?

Eu prefiro andar de motocicleta por uma estrada com um asfalto liso e tortuoso. Menos esforço rsss. Vento na cara, sem capacete...

Mas voltando aos prazeres, realmente é uma tortura ter que resistir aos prazeres da mesa. Só mesmo um fato bem grave para "estimular" um comportamento desses.

Mas creio sim que o maior dos prazeres é a gastronomia, e uma boa bebida - embora ambas tenham um destino nada nobre.

Alie-se a isso um bom livro, um bom filme, uma música nas orelhas, e o resto é o resto ..... putz, esqueci o sexo. Sorry. Fundamental como complemento também (ainda).

Mas tudo isso que escrevi acima pode ser condensado em um único prazer : VIAJAR. Conhecer novas culturas, outros ares .... não outras bocas, como diria Pablo Dominguez.

Baby não me entenda mal,
Só quero respirar
Outros ares
Não outras bocas

Hoje eu quero sair
Com meus amigos pra beber
Falar de qualquer coisa
Depois eu volto pra você !

Jorge Carrano disse...

Viajar é tudo de bom. Viajei muito menos do que gostaria e nada comparado com o que precisaria para aprender, crescer, desenvolver como gente.
Conheço apenas 9 capitais europeias, e talvez umas 4 dezenas de importante cidades, nos mesmos países, tipo Milão, Barcelona, Porto e Marselha. Aproveitei bem em museus, universidades, catedrais, mesquitas, parques, zoológicos, oceanários, muro derrubado e muralhas e aquedutos romanos. Provei culinária típica de todos os países visitados.
Mas não tenho mais condições físicas para enfrentar 11 horas de viagem. Quem sabe em primeira classe. Quem sabe? Quando vendi um apartamento que tive no Fonseca, investi o dinheiro em duas viagens para a Europa, berço da civilização ocidental.
Quem sabe se no futuro posso vender outro imóvel e fazer uma última viagem ao velho continente indo de primeira classe.
Wanda toparia na hora.

Carlos Frederico disse...

Assim que me vi com o surto diabético em novembro, corri atrás de restabelecer os níveis aceitáveis. Parece que estou no caminho certo, aos poucos. Mas ainda careço de mais exames - e aí mora o perigo (os resultados!).

Bom, mas o que quero comentar a respeito do tema deste post é que já fiz várias dietas ao longo de 45 anos e só uma delas deu algum resultado, justo a primeira delas, com um sujeito muito inteligente e consciente da psicologia envolvida no processo. Infelizmente ele mudou de ramo (dentro da medicina).

Nutricionista é tudo farinha do mesmo saco e estudam todas pela mesma cartilha. Na última que consultei (por causa do diabetes) joguei um desafio - queria ver se ela prescrevia uma dieta diferente da que eu já conhecia de cor. Ela até conseguiu: diminuiu mais ainda os itens mínimos.

Fez-me passar por um aparelho de última geração. Descobertas do aparelho:
1) Meu braço esquerdo é mais forte que meu direito. Basta olhar para minhas cicatrizes no braço direito que ela teria sabido disso sem o aparelho.
2) Minha perna direita é mais forte que a esquerda. Bom, sempre fui destro no futebol e ao dirigir a gente usa muito mais a perna direita. Basta um exame visual: minha coxa direita e panturrilha são ligeiramente mais grossas que as respectivas da esquerda. Não precisa do aparelho.
3) Tenho excesso de gordura abdominal - isso só pode ser piada, precisar de um equipamento para verificar algo visível desde que tenho 6 anos de idade.

Babaquice de moderninha. Ainda quis fazer pouco da marca que escolhi para minhas cápsulas de Ômega 3. Disse "desconhecer" o Laboratório Catarinense, com 60 anos no mercado e que me abastece de alguns remédios há anos.

O pior disso tudo foi a dieta. Como é moda, ainda tentou "me estudar" quando a intolerância à lactose e ao trigo. Meus caros amigos... Desde o surto diabético que eu tomo uma porrada de remédios para conter o índice glicêmico. Se eu fizesse a dieta por ela prescrita, que além de hipocalórica não continha nem leite nem derivados nem pão nem nada com trigo, em uma ou duas semanas eu teria baixado hospital, quando não túmulo, por hipoglicemia galopante.

Baixar a ingestão de calorias da forma que ela fez na prescrição da dieta sabendo o quanto de remédios eu tomava diariamente é quase um crime!

Minha sorte é que não sou burro - sempre debato as receitas médicas - como também tenho um competente clínico geral. Rasguei a dieta. E mesmo assim venho emagrecendo cerca de 1,5kg por semana, fazendo a "minha" dieta e tomando os remédios.


Riva disse...

Com certeza um ótimo investimento ! Sua alma agradeceria rsrs.

Vcs já viram dois programas fantásticos que tem no canal 34 da SKY, MUNDO VISTO DE CIMA e BRASIL VISTO DE CIMA ?

Ontem foi sobre a Costa Amalfitana, na Itália. Demais ! Uma pendência minha ...

Jorge Carrano disse...

Conheço o programa, Riva, as duas versões. Assim como uma outra série, no mesmo canal, intitulada "Destino certo". Nesta última a apresentadora visita em cada programa, 5 destinos especiais na Europa. Já foram apresentados 15 episódios E estão sendo repetidos). Há uma temática para acada episódio: estádios de futebol, vinícolas, ferrovias, mercados, paisagens, parques urbanos, etc.
A Costa Amalfitana, claro, aparece no episódio de belas paisagens. Conheço e recomendo pois é um desbunde.

Jorge Carrano disse...

É de lascar, Freddy. A doença é perversa, mas com certos cuidados alimentares e exercícios físicos dá para viver tranquilamente.
Como trabalhei na indústria farmacêutica recebi alguns estudos voltados para cura do diabetes. Há anos pesquisam.
Minha dúvida é: interessa à industria?
Estima-se em 382 milhões de pessoas no mundo. O Brasil é o quarto no ranking de portadores.

Carlos Frederico disse...

Sua dúvida é ótima!
Estenda-a a diversas doenças, como câncer e cardiopatias.
Um de meus antigos cardiologistas (falecido, RIP) disse-me que uma das maiores angústias da indústria farmacêutica é que o melhor preventivo de doença cardiovascular é... aspirina. Qual o problema disso? É que aspirina é barata!

É a teoria da conspiração agindo!