12 de março de 2016

Cadê os caras pintadas?


E aí, juventude smartphone, vocês são alienados?   Sigam o exemplo de seus pais, tios ou primos. Quem sabe faz a hora. 


                                                                 PROFECIA!? 







Cliquem e assistam ao vídeo.




Salvo um contratempo absolutamente incontrolável, como um temporal do "quinto ato do Rigoletto", como na blague de Nelson Rodrigues, amanhã os manifestantes seremos em número expressivo, superando a adesão de março do ano passado, em Niterói.

5 comentários:

Carlos Frederico disse...

Agora nós temos TV de 55", Sky e um confortável sofá, com drinks e acepipes ao alcance de um braço.
Sem cacetetes, "mamãe-dolores", spray de pimenta ou gases de efeito moral. Sem corre-corre, sem blackblocs, sem rojões voando sem destino sobre nossas cabeças, explodindo e matando inocentes.

Aguardaremos os homens da toga negra (ridículo ritual) debruçados sobre as leis tentando ganhar o tal jogo de tabuleiro que estão a jogar faz tempo contra uma equipe muito bem preparada e com recursos para reeleição até 2038, segundo avaliação recente.

Jorge Carrano disse...

Tsk tsk tsk tsk

"Os covardes nunca tentam, os fracassados nunca terminam, os vencedores nunca desistem"
Norman Vincent Peale (pensador)

Jorge Carrano disse...

Os versos abaixo, de autoria de Vladimir Mayakovsky, poeta, dramaturgo e teórico russo, devem nos servir de inspiração, ânimo, coragem e fé:
"Fiz ranger as folhas de jornal
abrindo-lhes as pálpebras piscantes.
E logo
de cada fronteira distante
subiu um cheiro de pólvora
perseguindo-me até em casa.
Nestes últimos vinte anos
nada de novo há
no rugir das tempestades.
Não estamos alegres,
é certo,
mas também por que razão
haveríamos de ficar tristes?
O mar da história
é agitado.
As ameaças
e as guerras
havemos de atravessá-las,
rompê-las ao meio,
cortando-as
como uma quilha corta
as ondas."

Jorge Carrano disse...

O Paulo Bouhid lembrou de "Novo tempo" do Ivan Lins, que embora escrito para um outro contexto, se aplica perfeitamente ao momento atual:

"No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer

No novo tempo, apesar dos perigos
Da força mais bruta, da noite que assusta, estamos na luta
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver

Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança

No novo tempo, apesar dos castigos
De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer

No novo tempo, apesar dos perigos
De todos os pecados, de todos enganos, estamos marcados
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver

Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança

No novo tempo, apesar dos castigos
Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas
Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer

No novo tempo, apesar dos perigos
A gente se encontra cantando na praça, fazendo pirraça
Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver

Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança."

Riva disse...

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque eu já chorei demais

Hoje me sinto mais forte
Mais feliz, quem sabe
Eu só levo a certeza
De que muito pouco eu sei
Ou nada sei

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
E ir tocando em frente

Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora

Cada um de nós compõe
A sua própria história
E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

EM RESUMO : respeitar o ritmo de cada um, suas manhas, suas manhãs e suas maçãs ...