26 de maio de 2016

Resolvi falar de amor …



Por
RIVA







No meio de tantas notícias ruins entre nós, desse tsunami de tragédias sociais que invade os noticiários das mídias o dia inteiro, resolvi ouvir música, mas muita mesmo. No ir e vir, no trabalho, em casa.

E em falando de músicas, me vejo, as always, na década de 60, super especial no meu conceito. Claro que houveram componentes pessoais que me impactaram diretamente, como a Jovem Guarda, o surgimento dos Stones e dos Beatles, dentre outros. Ah, a viagem que fiz aos EUA em 1969. Vivenciando muita coisa que só via na TV e nas revistas.


As melodias compostas na década de 60 eram simplesmente lindas. Fui um privilegiado em poder curtir cada lançamento no programa do Big Boy e em outras rádios. E as letras das músicas ? Até as mais “bobinhas” tinham conteúdo.

Não tenho certeza, mas sempre achei que os compositores e músicos da época eram todos de uma geração que vivenciou episódios, dramas e estórias muito especiais. Posso citar a Guerra do Vietnam, a tomada do poder pelos militares no Brasil, a reconstrução de uma Europa arrasada pela 2ª Guerra Mundial, muitas dificuldades, muita fome de comida e de …. liberdade.


Dentro desse contexto surgiu o movimento Flower Power nos EUA, e com ele muitas mensagens de paz e amor, transcritos em letras de melodias lindíssimas. Contagiou a Europa e outras regiões no planeta. Seu maior símbolo foi o Festival de Woodstock, em 69, nos EUA.



Muitas mensagens de amor a pessoas, a cidades, aos animais, à Mãe Natureza, aos alucinógenos da época, ao próximo.


Vocês podem elencar com certeza diversas músicas e letras nesse sentido. Eu, particularmente, fui tatuado emocionalmente por algumas delas, como por exemplo:
- San Francisco, de Scott Mckenzie
- California dreamin´, Mamas & the Papas
- Nossa canção, Erasmo e Roberto
- Crimson & Clover – Tommy James
- Louco de amor, The Brazilian Bitles (é assim mesmo que se escreve)
…........... e muitas outras.

Mas uma em especial, muito especial, em harmonia e letra : Never my love, Association



You ask me if there'll come a time
When I grow tired of you
Never my love
Never my love
You wonder if this heart of mine
Will lose its desire for you
Never my love
Never my love
What makes you think love will end
When you know that my whole life depends
On you (on you)
Never my love
Never my love
You say you fear I'll change my mind
And I won't require you
Never my love
Never my love
How can you think love will end
When I've asked you to spend your whole life
With me (with me, with me)


PS : Paz e Amor !

13 comentários:

Jorge Carrano disse...

Trecho de "Tarde em Itapuã", de Vinicius e Toquinho.

"E com olhar esquecido
No encontro de céu e mar
Bem devagar ir sentindo
A terra toda rodar
É bom!"

Não foi na praia baiana, foi nesta bela manhã de outono no calçadão de Icarai. Sol num céu azul, e temperatura civilizada.

Carlos Frederico disse...

Realmente hoje tivemos um amanhecer lindo.
O texto remete ao passado, aquele mesmo que procuro evitar, mas que não posso deixar de admitir ser por ele afetado.
Curti muito o Flower Power dos EUA, suas mensagens e sua música.
Como Riva há de se lembrar, das citadas a que mais me emocionou foi Crimson & Clover.

Da banda The Association eu gostava de “Never My Love” e da alegre “Windy”. Contudo, a que mais me emocionou foi “Cherish”. Bem mais adequada ao meus sentimentos de então...

Para ouvi-la junto com a letra, copie e cole:

https://www.letras.mus.br/association/333081/#radio:association

Ana Maria disse...

Grata, Riva. Seu post foi um oásis neste deserto onde as más notícias secam toda nossa sensibilidade.
Realmente, não sei se em decorrência da proverbial postura arraigada ao passado, comum a nós, idosos, não existe mais poesia nos dias atuais. revendo filmes antigos, me divirto com o sofrimento dos personagens. Eles sofriam por amor de uma forma muito mais intensa, e por isso, escreviam páginas de rara beleza.
Hj, infelizmente, as rádios só divulgam funk e sertanejo de segunda.

Kayla disse...

Querido Jorge, acho que o Vinícius sentia a terra rodar depois de doses de whisky, e vc está tomando o que? ashuashuashua

Jorge Carrano disse...

Engano seu, estimada Kayla, em versos da própria canção citada, ele admite que gostava da boa cabeça de alambique, veja:

"Enquanto o mar inaugura
Um verde novinho em folha
Argumentar com doçura
Com uma cachaça de rolha"

Riva disse...

Ana, exatamente, sofriam por amor de uma forma muito mais intensa. Amor a tudo. Eu tenho fortes lembranças de sofrer por amor, de chorar até....

Um dia acho que farei um post sobre o porque de algumas composições muito famosas, como e porque foram criadas, dedicadas a que. Mas repito, na época do Flower Power a criatividade estava à flor da pele. Era química pura, impressionante a liga entre algumas pessoas de um mesmo grupo.

Estou teclando de Friburgo. Chegamos às 18h e já está 15º lá fora. Johnnie está ao meu lado, olhando o que escrevo (rsss). Estradas vazias, apesar de ser o último feriadão do ano ; afinal crise econômica e dia 25, grana do salário não entrou (para quem tem emprego).

Freddy, uma surpresa para mim Crimson & Clover ser especial para você. Para mim, nem te falo ... vou tentar passar pra vocês .... tinha acabado de chegar aos EUA, estava na casa da minha família americana há apenas 2 ou 3 dias, e todos os dias, quando chegava da High School, mais ou menos às 14h, ligava a vitrola FM e ficava ouvindo o hit parade local, de Baltimore.

Eis que toca Crimson & Clover, que eu não conhecia, e estava no top da parada. Quase desmaiei quando ouvi aquilo. Que melodia, que clima ... emanava amor e loucura ..flower power puro !

Chamei minha "mãe americana" para ouvir, e ela adorou também a música, e me ajudou a escrever a letra na hora. Foi realmente a música que simbolizou a minha viagem de 69 aos EUA, a minha primeira viagem à America.

Amor à 1ª vista !! Continuo falando de amor, perceberam ? Tenho paixão pela America.

PS1: vou começar a reler a fantástica autobiografia de Albert Speer, o arquiteto de Hitler.

PS2: Menu hoje é sopa de baroa com carne seca e pãozinho francês da Super Pão.

PS3: Kayla, fala de amor !! Obrigado, de nada ! rsss

Ana Maria disse...

Acho que a Kayla não se enganou. Apesar de acreditar que o poetinha bebia de tudo, ti e oportunidade de assistir alguns de seus shows e ele sempre estava acompanhado de seu scotch whisky. Whisky este que provavelmente era maior de idade.A cachaça de rolha combinava melhor com a paisagem. Foi uma licença poética. Aliás o Vinicius sabia falar de amor.

Carlos Frederico disse...

Riva, Crimson & Clover era uma de minhas preferidas (posso até fazer um set list com outras - como Rain and Tears, Lamplight, The Sound of Love, Windy, etc), e foi um êxtase quando chegou dos States a versão ampliada no LP do Tommy James and The Shondells, com um solo adicional e - para a época - longo. Tenha em mente que eu raramente me ligava em letras, e você pode até me ajudar explicando exatamente o que significa o título (rs rs).

Toquei-a por um longo tempo no piano, tentando (sem muito sucesso) emular o trêmulo característico da melodia.
<:o)

Riva a 17º disse...

Freddy, acho que nem o autor sabe explicar o significado da letra. Tipo "A whiter shade of pale". Morreremos sem saber o porquê de escreveram aquilo. Nós e eles ! rsrsrs

Riva disse...

Freddy, segura essa aí ... tradução de Crymson and Clover :

Ah, agora eu não a conheço
Mas eu acho que eu poderia amá-la
Carmesim e trevo

Ah quando ela vem andando
Agora eu estive esperando para mostrá-la
Carmesim e trevo, de novo e de novo

Yeah, minha, minha coisa mais doce
Eu quero fazer tudo
Que sentimento lindo
Carmesim e trevo, de novo e de novo

Carmesim e trevo, de novo e de novo
Carmesim e trevo, de novo e de novo
Carmesim e trevo, de novo e de novo
Carmesim e trevo, de novo e de novo

Riva disse...

Freddy, veja isso da Wikipedia

The title, "Crimson and Clover", was decided before a song had been written for it. The combination of unknown meaning came to James as he was waking up, comprising his favorite color – crimson – and his favorite flower – clover. (There is also a species of clover native to Europe called the crimson clover.) A song to fit the phrase was written by Tommy James and bassist Mike Vale, but was scrapped. His following collaboration with drummer Peter Lucia, Jr. was more successful (Lucia has said that he himself came up with the Crimson and Clover phrase while watching a high school football game between his hometown Morristown (NJ) Crimson and Hopatcong (green, or "clover").

Carlos Frederico disse...

Hmmm, sei...
É como In-A-Gadda-Da-Vida, uma expressão sem sentido (inspirada em "In the Garden of Eden") que serviu para fazer uma música que ficou anos na parada da Billboard...

Começo a achar que Jimi Hendrix, vendo névoa púrpura enquanto pede desculpas por beijar o céu, faz mais sentido. Não é?
<:o)

Riva disse...

John Lennon tinha uma, digamos, farmacopéia na parede do seu apartamento, bem no corredor saindo do quarto.

Todos os dias, antes de qualquer atividade, dava uma, digamos, lambida ali.

E a criatividade, que já era absurda, tornava-se mais absurda ainda !

Mas numa época em que tudo isso servia ao BEM.