29 de março de 2017

Miss Brasil

Martha Rocha, a baiana da foto, foi eleita Miss Brasil em 1954. Era considerada favorita a conquistar o título de Miss Universo, mas ficou em segundo lugar.

A versão que circulou no Brasil é que ela teria perdido por conta de exageradas duas polegadas a mais do que o devido nos quadris.

Quem, em sã consciência, poderia reclamar de duas polegadas nos quadris ? 

Foi por causa dela que os concursos de misses se popularizaram no Brasil. E viraram um programa imperdível para os jovens, inclusive o escriba que assina estas mal traçadas linhas.

Martha não leu "O Pequeno Príncipe", ao contrário de algumas misses que a sucederam nas passarelas, e que viraram personagens de piadas. 


Acho que vestida com um maio "Catalina" já justificava sua escolha. Não precisava comprovar erudição, cultura geral e gosto por literatura.

Não lembro se na época as candidatas frequentavam os cursos da Socila, para aprenderem a desfilar e também boas maneiras, um pouco de etiqueta.

Assim como lembro de Pelé, quando o assunto é futebol; da Marta se o assunto é futebol feminino, do Falcão se vamos falar de futsal, é impossível não lembrar de Martha Rocha se vamos falar de misses que representaram o Brasil nas passarelas mundo afora.

Assisti algumas disputas no Maracanãzinho. Íamos em grupo: Ney, Rosinha, Mário, Waldyr, Senna, Nonata. Pegávamos os antigos lotações na Praça XV e desembarcávamos próximo do ginásio. A cada ano o grupo modificava um pouco.

Para quem não é desta geração informo que estes citados "lotações", eram pequenos ônibus, com capacidade para entre 16 e 20 passageiros, devendo todos viajar sentados. Era proibido viajar de pé, embora sempre se desse um jeitinho de viajar agachado no corredor entre os assentos, de sorte a que a fiscalização, nas ruas,  não notasse durante o trajeto.

Na volta, angu do Gomes na Praça XV. Não existia a ponte e as barcas da Cantareira ainda trafegavam na Baia da Guanabara, embora já existissem as lanchas.

Conheci uma miss Brasil pessoalmente e até a entrevistei no programa  na Rádio Federal de Niterói (ZYP 40), que falava "das margens da Guanabara par os céus do Brasil", o que era um deslavado exagero eis que era uma emissora de ondas dirigidas. Acho que não alcançava Itaboraí.

Os amigos Alódio Santos, Esther Bittencourt e Eugênio Lamy, que já frequentaram este blog, são testemunhas porque eram também da equipe de produção e apresentação do mencionado programa. 

Falo de Gina MacPherson (nome de batismo Jean MacPherson), moradora da cidade na época, embora tivesse concorrido representando o Estado da Guanabara. Bonita, bem articulada, mas em matéria de beleza, um pouco distante da Martha Rocha, a miss definitiva.

Nenhum comentário: