22 de abril de 2016

Enchendo linguiça

Acabei me acostumando e tornando rotina publicar uma postagem diariamente.

Mas nem sempre tenho tempo, ou assunto ou colaboração de algum amigo ou parente, que vez ou outra preenchem este espaço com textos impregnados de amor, recheados de úteis informações, belas imagens ou requintado humor.

Então vou encher linguiça tratando de assuntos díspares ao sabor dos acontecimento recentes e do que me der na telha.

Começo pela neblina, bruma ou névoa, não sei qual é o nome mais adequado (ou mesmo se tanto faz) que hoje pela manhã tomou conta da orla da praia.

Não era muito densa mas o suficiente para não permitir, desde a praia das Flexas, vislumbrar o final da praia de Icaraí.

Esta ocorrência é mais comum do outro lado da baía. Muitas vezes, nas caminhadas matinais, principalmente no outono, não se consegue ver com nitidez a cidade do Rio de Janeiro. Por vezes fica inteiramente encoberta, por vezes enxergamos apenas as sombras das montanhas e edificações.


E a ressaca de ontem por influência da lua? Aqui foi forte, mas no costão da Av. Niemeyer, no Rio, foi muito pior, a ponto de destruir, jogando ao mar, parte da ciclovia recentemente inaugurada. 


Vitimou duas pessoas que por ali transitavam no momento e que caíram de uma altura de cerca de 10 metros.

Fenômenos naturais que provocam desastres. Geralmente agravados pela ação humana.

Pergunto aos engenheiros e arquitetos de plantão se não houve falha de projeto. Os cálculos estruturais deveriam levar em conta a possibilidade de marés mais altas, com ondas mais violentas, pegarem por baixo a ciclovia, sustentada por vigas que se apoiam nas pedras do quebra mar natural?

Ou isso é imprevisível?  Para as famílias das vítimas sempre haverá responsáveis. Quem poderá afirmar em contrário?

Outro assunto que me vem à mente, neste momento, é o massacrante número de programas culinários que invadiu as TVs, abertas ou por assinatura, neste momento.

Paola Carosella, jurada, chef
e dona de restaurante

São realities, gravados em estúdio, em residências, nos formatos clássicos (franquias), como o MasterChef, cujas versões americana, colombiana, australiana, argentina ou espanhola se alternam na programação. Sim, tem a versão brasileira também.

São cozinheiros profissionais ou atores e atrizes que se aventuram no mundo da culinária, como Rodrigo Hilbert, Carolina Ferraz e outros. E ainda Rita Lobo e Bela Gil. Putz! É muita gente, em vários canais, todos os dias, e nos mais variados horários.

Rodrigo e sua bela mulher Fernanda Lima
Já existiam estes programas há muito tempo, com a veterana "Palmirinha" e a Ana Maria Braga, mas agora temos uma epidemia.

E muitos chefs, brasileiros e estrangeiros têm seus próprios programas ou atuam como jurados em outros: Claude Troisgros, Olivier Anquier e mais alguns outros.

Claude Troisgros

Olivier Anquier
E os cozinheiros e doceiros estrangeiros cujos programas originais são gravados em seus países mas são retransmitidos aqui?

Saturou.

Viram, foi fácil, não acrescentei nada de novo, mas preenchi o espaço de um post sem ter que queimar a mufa, demonstrar cultura ou recorrer ao Google, senão para as imagens  que ilustram o texto.

13 comentários:

Jorge Carrano disse...

Alô, alô! Engenheiros: o que está havendo?
"O desabamento de um estande de vendas de prédio em construção deixou uma pessoa morta nesta sexta-feira (22). O fato ocorreu na Rua Michel Milan, na Vila Olímpia, zona sul de São Paulo."
Vejam:
http://noticias.band.uol.com.br/cidades/noticia/100000803374/stand-de-vendas-de-apartamentos-desaba-em-sp.html

Jorge Carrano disse...

Foi mera coincidência falar de culinária (gastronomia) num post intitulado encher linguiça (rsrsrs).

Ana Maria disse...

Existem outras construções no local da tragédia, há muito mais tempo e sujeitas ao mesmo fenômeno da ressaca, bastante comum nas orlas, dentro e fora da baía da Guanabara. Foram mais de 40 milhões, o que se supõe, daria para contratar bons profissionais e usar material de primeira. Devemos lembrar quantas construções recentes, inclusive com recursos do PAC tiveram o mesmo fim. Prédios condenados em Niterói, viadutos desabando em Minas, estádios com erros de estrutura e muitos outros.
Juro que não vou falar em política, portanto deixo para os técnicos e palpiteiros de plantão os possíveis motivos.
Quanto a sites de culinária, esta praga que se espalhou nos canais pagos, se existem, é porque dão audiência.
Provavelmente nós, caro irmão, é que estamos com o passo errado.

Jorge Carrano disse...

O tipo de construção da ciclovia difere um pouco das outras existentes naquela orla. Acho, posso estar enganado, que os engenheiros e arquitetos chamam de "obra de arte". Como certos viadutos.

Sim têm audiência e são discutidos em encontros familiares (rsrsrs).

Riva disse...

Prezados, ainda estou chocado com a tragédia da ciclovia.

Com tudo mesmo, inclusive com a foto que circulou o mundo de pessoas jogando futebol perto dos corpos de dois chefes de família mortos, colocados na areia da praia. A banalidade da morte, como na Colômbia nos anos 80.

Chocado com a emocionante filmagem da esposa de uma das vítimas chegando perto do corpo do marido.

O circo de horrores não tem fim. O 7x1 não tem fim ! Foi acender a tocha lá na Grécia e cair teto em hospital, onda do mar derrubando ciclovia ...

Sobre a ciclovia : numa 1ª impressão, por ser uma estrutura isostática (tipo solta nos apoios), a onda levantou a plataforma, tirando-a do berço de encaixe sobre os pilares, e .... fim. Só fiquei surpreso porque geralmente existem fixaçoes nos apoios, com chumbadores de aço entre pilares e viga da plataforma. Aguardemos. Mas em resumo : erro de projeto ou de projeto + execução.

E como Murphy é implacável, vem agora aí as relações da construtora com a Prefeitura, secretariado, licitações outras, etc. Vão lavar a jato esse evento ?

Aqui em Friburgo hoje fez 15º às 6h da manhã. À noite 18º. Hoje vai ser igual.

PS : "governo" não paga contas de chancelarias em NY. Despejo vergonhoso à vista.

Jorge Carrano disse...

Pois é, Riva.

Aqui ainda estamos bem acima dos 30 graus.

Atenção para os nascido em Touro:

http://oinfernoastral.blogspot.com.br/2009/03/o-lado-negro-dos-signos-touro.html

Carlos Frederico disse...

Programas de culinária tratam de... comida. E até onde se sabe, no auge da crise será a última coisa a ser cortada do orçamento. Vai daí, assistir programas para aprender a transformar o feijão com arroz do dia a dia em algo mais sofisticado ainda tem espaço.

Eu não faria uma ciclovia no sistema (estou colando, não sou da área) de estrutura isostática num local propício a ondas dessa natureza. Faria algo BEM sólido, como as estruturas da Gruta da Imprensa logo abaixo. Quem sabe com o orçamento de 45 milhões não teria sido possível?

Na verdade essa ciclovia nasceu fadada ao insucesso. Estraga a vista de quem circula pelas vias de trânsito, com prejuízos turísticos. Está sujeita a assaltos e acreditar em policiamento dia e noite é como acreditar em Papai Noel. Podem até fazer vez por outra, talvez nas Olimpíadas para aparecer, mas depois... Quem vai trafegar por ali de bike sem sustos?

Carlos Frederico disse...

Quanto à banalização da morte, não é de hoje. Só mudou de bairro, agora é zona sul. Faz algum tempo circulou foto da criançada jogando uma pelada num campo de comunidade com um "presunto" devidamente embrulhado em plástico preto numa das laterais. Só incomodava quem por ali se aventurava, como os laterais. Tinham de praticar corrida com obstáculos...
=8-(

Jorge Carrano disse...

O que se constata, com tristeza, é que a incompetência, a irresponsabilidade, a fraude, a mentira, a farsa, a corrupção está disseminada no tecido social
É como se fosse uma metástase, que tem origem na presidência da república.

Jorge Carrano disse...

E dizer que algumas obras romanas, feitas antes de Cristo, resistem aos séculos e nos encantam na Europa.

Claro, tem a ação de ventos, sol e chuva, abalos sísmico, terremotos e guerras que causam danos, mas estão lá.

E quais eram os recursos que possuíam os egípcios para construção das pirâmides? Mão de obra escrava e algumas cabeças pensantes.

Riva disse...

Quanto aos programas culinários, apenas mais uma vergonhosa cópia dos programas americanos.

Posso falar de cadeira, porque tenho ido com frequência por lá (ainda bem !!). Jô imitou descaradamente o projeto de um canal de TV, Silvio Santos copia todos os quadros do seu programa de programas americanos, programas de cantores, de bandas agora, e os de culinária invadiram as TVs americanas há mais de 20 anos. Só que lá TEM mercado para esse tipo de programa. Aliás, tem mercado para qualquer coisa ! Estacionamentos de shoppings centers lotados, praças de alimentação e lojas lotadas, Orlando sempre lotada, Las Vegas, NY, Miami, San Francisco, etc etc etc etc etc ....

Não sei o que ainda sustenta esses programas de culinária por aqui. Sei que a Matriarca Vascaína sempre vê. Até acho alguns daqui bem criativos, diferentes - não vou citar quais rsrsrs.

Mas também percebo que gastronomia atrai muito. Isso é um fato. Basta ver os eventos de Food Truckers, recentemente o Food Bikers no Campo de S Bento em Nikity. Todos bombando.

Aki em Duas Pedras, 20º no momento. Hoje fez 15º às 7h da manhã.

PS : BARÇA 6x0 hoje. Suárez 8 gols em 2 jogos ! Só isso. Como assistir Carioca depois disso ?

Outro PS : e o Zé de Abreu, hein ?

Mais um PS : mais tarde vai ser Caldo de Inhame, acompanhado de ciabata calabreza, um Cabernet chileno e um violão.

Jorge Carrano disse...

É pecado tripudiar dos outros, Riva.

Maldade com quem não pode.

De minha parte, substituiria o inhame por mandioquinha (batata baroa) e como não toco nenhum instrumento: Earl Hines no CD player.

Riva chegando do Paraíso disse...

Amigo, na verdade fomos atrás do caldo de Baroa com Carne Seca, mas tinha acabado ! O de inhame estava delicioso, com pedaços de peito ( de boi, ok ?). Excelente mesmo.

Chegamos agora de Friburgo. Acreditem, hoje às 6:50h estava 14,5º !! Saímos com 20º e chegamos no inferno .......

PS : acumulando saliva ..... nunca se sabe, né ..... tá valendo tudo mesmo !! QSF.