9 de novembro de 2015

Um fim de semana em Búzios (RJ)



Por
RIVA











Não íamos a Búzios há 20 anos. Nem dá para comentar as diferenças.

Nosso primogênito foi participar junto com sua esposa do evento XC RUN BúZIOS 2015. É uma espécie de maratona, 42 km, mas com um percurso punk, ou seja, piso em paralelepípedos, areia fofa, trilhas no mato, entre rochas dentro do mar, subidas e mais subidas, uma loucura.



Você pode participar sozinho (solo), em dupla ou em quarteto. Nosso filho foi em dupla (21 km cada um), e nossa nora em quarteto.

Bem, sem entrar em detalhes da maratona, foi emocionante como todas são. Esperamos a chegada dos 21 km na Praia de Tucuns, e depois fomos para a Rua das Pedras no centro aguardar a grande chegada, sensacional. Uma festa, música nos alto falantes da rua, gritos, emoção, superação, muitas palmas de incentivo na chegada, tem de tudo. Alguns chegam de mãos dadas, uns com seu cão de estimação, teve pedido de casamento na chegada, outros desabam em choro no chão, chegam com seu bebê no colo, com filhos, um caleidoscópio de atitudes e cores. Demais !!

Rodrigo, filho do autor, com o parceiro Jesus
O mais bacana nisso tudo é que todos se consideram e são considerados vencedores. É um time único com mais de 2.500 atletas. A confraternização é geral, e vai até à noite pelos bares e restaurantes da bela cidade de Búzios. Essa maratona parece que rola por lá desde 2012.

Como a largada foi no sábado às 7hs, chegamos todos na 6ª feira. E tudo isso terminou mais ou menos às 15hs, porque todos têm 8hs para fazer o percurso. Os primeiros colocados  fizeram em 3 horas e alguns minutos. Mas a maioria faz entre 4 e 6 horas .... correndo !!

Não saímos do Centro. No máximo fizemos uma caminhada pela Orla Bardot. Todo o restante de Búzios fica para outra oportunidade, que espero seja logo ... rsrs.


Nossa pousada era bem no Centro, a menos de 200 metros da Rua das Pedras. Que lugar mágico ! À noite então se transforma com suas luzes e iluminação colorida, ruas e bares e restaurantes lotados de gente alegre e bonita. Demais !!

Música ao vivo para quem gosta, ambientes intimistas ou não, e a Rua das Pedras e adjacências se transformam em uma grande festa popular, segura, bonita, esbanjando alegria.



Parvati - cardápio variado
Como sempre exploramos o veio gastronômico do Centro, e com certeza recomendamos pelo menos 4 ótimos restaurantes : PARVATI, RINCÓN, PRIMITIVO e DAVI. Degustamos excelentes carpaccio, croquetes de bacalhau e de camarão, inhoques, mignon, camarões, polvo, crepes doces e salgados, sundaes, ótimas cartas de vinhos ....... uma loucura gastronômica.


Comparações ? Sei lá, um mix de Floripa com Parati. Essa região do centro de Búzios é muito bonita, lembra até Carmel, na California, para quem já teve a felicidade de conhecer.



Enfim, a gente sai de lá bem, baterias recarregadas, pronto para o massacre de coisas ruins no Rio durante a semana. É como ir do Paraíso ao Inferno .... #simplesassim

Foram mais de 150 fotos, então colocamos umas poucas para tentar dar uma noção de quão agradável é estar em Búzios. Faz bem para a alma !



48 comentários:

Jorge Carrano disse...

Sobre maratona e o participante, ver:

http://jorgecarrano.blogspot.com.br/2015/07/superacao.html

Riva disse...

O prato da ilustração é um polvo Thai, com arroz jasmim e legumes, no Parvati.

Um ponto importante a registrar é que em Búzios não há sinais de trânsito, apenas as faixas de pedestres. Então muita atenção, porque todos estão acostumados a ver os carros pararem para sua travessia. Muita atenção mesmo.

E a velocidade máxima é 40 km/h, monitorada eletronicamente (pardais).

A pousada em que nos hospedamos foi a Centro Norte. Incluía café da manhã, chá da tarde, wifi grátis, estacionamento em frente a 20 reais a diária.

Riva disse...

Bem, já que ninguém aparece aqui na Berê para comentar, continuo eu, com informações e dicas para quem pretende ir a Búzios.

Depois que saímos da Rio-Lagos e entramos em direção a Búzios, todo cuidado é pouco com algumas crateras (nos 2 sentidos) na estrada, eu não disse buracos, disse crateras. Fico imaginando à noite e/ou com chuva como deve ser ..... porque não daria para perceber. À luz do dia vc vê as crateras e desvia. Então cuidado.

Na Rio-Lagos, cuja veloc. é de até 100 km//h, tem vários retornos muito bem sinalizados e seguros, e todos têm velocidade máxima de aproximação de 60 km/h. Atenção porque existem pardais em 1 ou 2 desses retornos.

Em termos de opções de restaurantes, tem ótimas escolhas com preços mais em conta, até os mais sofisticados, especiais para turistas .... estrangeiros rsrsss. Como só fomos no Centro e Orla Bardot, posso garantir que existem dezenas de boas opções para pizzas, carnes, sopas, frutos do mar, frango, tem Mac Donald´s, Subway, Bob´s, enfim, uma festa gastronômica.

Muito artesanato, bijuterias, blusas estampadas com motivos locais, passeios de barco, táxis marítimos, aluguel de motocicletas, bugres, carros, enfim .... tudo para você ficar de bem com a vida !

No trajeto existe um excelente posto GRAAL, que atende aos 2 sentidos da pista ; mas não perca a entrada dele, porque se passar, não tem alternativa.

Pousadas: as fotos enganam (de um pouco a muito). Então é bom "ir fundo" nas avaliações da Booking.com, TripAdvisor, etc ..... Escolhemos a Centro Norte pela excelente localização, mas existe do mesmo grupo, a Centro Leste e a Centro Oeste, todas muito bem localizadas.

Por enquanto é isso ......

PS : obrigado, Carrano, por me tirar o pneu !! rs

Carlos Frederico disse...

Deve ter sido legal, havia uma motivação.
É curioso o fato de que, por mais de uma vez, quis ir a Búzios e sempre fui alertado para não fazê-lo. O aviso sempre partiu de pessoas que conhecem muito bem a mim e Mary. Os motivos alegados são diversos. Vão da alimentação a hospedagem, praias e horários. Curiosamente os mesmos argumentos que me dão quando cogito uns dias em Pipa/RN.
Aliás estou em Ponta Negra (Natal) num ponto onde também me deram o contra - e não irei a Pipa! Será que nós (eu e Mary) passamos uma imagem falsa às outras pessoas?
Em resumo, continuo com vontade de conhecer Búzios, mas não num fim de semana - quando justo nos dizem que NÃO conheceremos Búzios!!!

Riva disse...

Freddy, não deve ser uma boa ir a Búzios fora do fim de semana, a menos que seja alta temporada, que é brabo mesmo.

Digo isso porque, além de nos fins de semana você ver, ouvir e sentir muita energia e alegria na fauna, de dia e à noite, não tenho certeza se tudo funcionará como quando tem uma boa demanda de clientes. Não sei.

Exemplos : será que todas aquelas cozinhas que funcionam a pleno vapor, vão ter tudo hiper fresquinho, bom atendimento em termos de quantidade de atendentes, todas as opçõe de cardápio ?

Deve ser como ir a Parati no meio da semana. Mas se vcs realmente querem conhecer com calma a cidade, tudo que ela disponibiliza, para depois voltar num fim de semana, sim, vá fundo. Tenho certeza de que vão gostar.

A propósito, qual o problema de PIPA em relação a vcs ?

Carlos Frederico disse...

O mesmo de Búzios 😁

Carlos Frederico disse...

O mesmo de Búzios 😁

Carlos Frederico disse...

Existe um paradoxo a resolver. Eu adoro o lugar (seja Búzios ou Pipa, para exemplificar). Vazio. Aí nada funciona, metade fica em recesso. Quando fica lotado, aí os restaurantes e lojas abrem, filas e locais crowded. Estou fora!
O que eu gostaria existe em raros locais, como já testemunhei numa 2' feira vadia à noite na Rua Coberta, em Gramado. Nenhum cliente, todos os restaurantes abertos.

Riva disse...

Vc poderia se inscrever então para a 1ª missão tripulada a Marte !! rsrsrsrs
Mas é só passagem de ida kkkkkkk.

Aguardamos seu post sobre Natal na volta.



Carlos Frederico disse...

Isso talvez responda à pergunta sobre porque me desaconselham Búzios sempre que tento ir.
Sobre Natal, de diferente de outras vezes em que aqui estivemos: o hotel. Oh, sim, não fizemos nenhum passeio. Nem city tour.

Anônimo disse...

Conheço Pipa e Pandorga ...

Carlos Frederico disse...

Anônimo, conheça também cafifa, morcego, arraia, pião e estilão.
<:o)

Ana Maria disse...

Não vou a Búzios há bem mais e 20 anos. Não faz parte de meu roteiro de viagem visto que o lugar virou um point.
Fujo de baladas, aglomerações e coisa e tal.
Faz parte do meu temperamento e, por isso, alta temporada é ocasião para ler um livro e jogar buraco. Na última vez que estive por lá no início da década de 80, ainda se podia passear na rua das Pedras mesmo sem precisar comprar biquini.
Mesmo assim, guardo uma imagem de beleza rara, como uma fotografia: a praia João Fernandes. Vista de cima, entreolhando em meio a vegetação, banhada pela luz difusa do por do sol,ela me ofereceu uma visão inesquecível.
Não tenho intensão nem vontade de voltar, pois sei que a praia está colhada de quiosques e a vegetação detonada, mas aquela lembrança ninguém me tira.

Riva disse...

Ana Maria, Búzios continua muito bonita, pelo menos onde eu fui : a baía, Orla Bardot, Rua das Pedras e arredores, e Praia de Tucuns, com quiosques bem praianos enterrados em alguns pontos da areia, nas entradas.

Carro é necessário, pois táxis são caros.

Ana Maria disse...

Pois é, Riva. Tudo rem um preço, inclusive apreciar a beleza.
Tive a sorte de ter vivido numa época em que a natureza era grátis e por isso conservo lembranças.
Claro que ainda existem belezas escondidas nos cafundós, mas me falta disposição.

Riva disse...

Ana, realmente hoje qualquer viagem, qualquer passeio requer mesmo disposição, muita.

Nossas idas a Friburgo onde temos um ap num chalé, já não é mais prazeirosa. Nas décadas de 80 e 90 íamos com tranquilidade, e sem correr, em 1h20min de viagem.

Para vc ter uma idéia, só para ir da minha casa até a Av. Roberto Silveira, ainda em Icaraí, posso às vezes levar 20 minutos. Outro dia resolvemos ir pelo Fonseca para pegar a estrada lá em Manilha ... levamos 45 minutos até a Alameda São Boaventura !!

Para Friburgo hoje gastamos quase 2h30min, são 14 ou 15 pardais, sem contar os pardais móveis escondidos, pedágios, engarrafamento até Itaboraí, um estresse.

Quando chego lá não quero fazer mais nada como antes fazia (passeios), a não ser jiboiar com meus livros, CDs e meu whisky. Até restaurante temos às vezes pedido por telefone.

Para Búzios não é diferente. Basta ter que pegar uma estrada.

Aeropotos ? Estão caóticos também, e pior, lotados de pessoas sem educação ... (não vou entrar em detalhes sobre o assunto, mas tudo indica que é o tal Brasil do Amanhã).

Com tudo isso muitas pessoas da minha geração estão preferindo programas caseiros, por aqui mesmo, na casa de um ou de outro. ATé barzinho pode dar zebra : no ir e vir, e lá. Só o Pub da Berê, pq é virtual !!

Carlos Frederico disse...

Permitam-me rir.
Sim, claro que concordo com Riva que para qualquer viagenzinha de lazer hoje em dia há custos, desconfortos (pardais irritam) e riscos. Temos ouvido frequentes relatos de assaltos na subida de Petrópolis. Seria um lazer simples, logo ali... e tem riscos. Pra ir nos aptos das filhas, Charitas e Pechincha, mais medo!
Já olho pra todos os lados e saio com o mínimo necessário para os bares e restaurantes do Jardim Icaraí - moro junto ao centro gastronômico. Nem a Devassa, a 60m da minha portaria, posso considerar segura.
Agora... 1h20min pra ir a Friburgo nos bons tempos?
125km de casa a casa, aproximadamente.
Média de uns 95km/h. Bota aí retenções e sinais nos perímetros urbanos, a MÉDIA na estrada, contando serra apinhada de curvas com ultrapassagem difícil, teria de ser mais de 100km/h.
Viagem tranquila, sei......
<:o)

Riva disse...

Isa é testemunha ... chegamos a fazer em 1h23min, de porta a porta !!!! Não lembro o ano, mas deve ter sido tipo 94.

Ana Maria disse...

Na minha juventude levávamos até 3 horas de ônibus de Niterói a Itaipu aos domingos. Mas tudo era farra.
Na década de 80, num carnaval, levamos 4 horas de Iguaba a Cabo Frio mas, para nós, valia à pena.
Hj está mais complicado. Engenharia do trânsito, duplicação de pistas, viadutos e outros recursos não solucionam o caos causado pelos carros em péssimas condições, radares, motoristas despreparados e o número absurdo de caminhões transportando de bens de consumo através de rodovias.
Os cerca de 100 km que separam Teresópolis do Aeroporto Galeão, chegam a se arrastar por 3 horas, devido ao trânsito e ao sistema de pare e siga na serra.

Riva disse...

Presto consultoria para uma empresa na Barra da Tijuca.

Não é fácil o ir e vir, num total médio diário de 3 horas, sob estresse constante - trânsito, obras na Av. Brasil e olho nos assaltos/arrastões.

O pior disso tudo é que não vai melhorar quando as obras acabarem. Vai continuar no mínimo exatamente com as mesmas dificuldades de hoje. A solução passa por projetos inteligentes e política sem corrupção, ou seja, não há solução.

No Rio o BRT já está entrando em colapso em algumas linhas ! BRT não é para transporte de massa. Uma imbecilidade o que estão fazendo, e parece que pretendem o mesmo entre Niterói e Itaboraí. Vão gastar milhões para engasgar o fluxo de passageiros em poucos anos.

Riva disse...

Freddy, já experimentou aí a de cajá ? É para beber ajoelhado !! rsrs

Carlos Frederico disse...

Há um "compromisso" com montadoras de veículos de que usaremos principalmente rodovias, desde JKubitschek.
Obviamente a solução sobre trilhos, nacional ou metropolitana é melhor. Sem contar transporte aquático onde for viável.
Acho que os esquemas de propina estão mais fáceis quando envolvem asfalto e veículos sobre pneus...

Quanto à caipi de cajá, Mary já tomou em outras viagens. Ela prefere o cajá-manga. Diz que o cajá não tem a acidez da qual ela gosta.

A de caju deste hotel é maravilhosa. Alternamos jarras de suco e caipis de caju. Sem mistério, já que a fruta que mais aprecio na versão suco sempre foi caju. Ao natural: abacaxi doce. Em calda ou doce prensado: figo.

Jorge Carrano disse...

COMUNICADO:
Ando sem tempo, sem inspiração e sem motivação para sentar numa mesa do Pub da Berê e jogar conversa fora.
O que debater neste planeta no qual falta um movimento, este não definido pelas forças do universo, como os de rotação e translação.
Falta um movimento (planetário) pela paz, pela ética, pela moralidade, pela responsabilidade.
Um valor mais alto precisaria se alevantar para que todos os terráqueos ficássemos unidos em torno de princípios a ações de interesse de todas as etnias, abandonando as coisas que hoje nos dividem.
Como aceitar um mundo onde religião divide, leva a guerras. Onde o Banco do Vaticano faz lavagem de dinheiro, e sacerdotes são frequentemente apanhados por envolvimento com pedofilia?
Por isso não tenho religião, porque não é só a igreja católica que está podre. Todas as religiões, olhadas de perto, fedem e provocam nojo.
E as filosofias, cá para nós, não passam disto, filosofia. Como alguém já definiu com propriedade, uma chave que abre as portas atrás das quais nada encontramos. Ou não?
Certas seitas, doutrinas, rituais, deuses e entidades, admiro-os como folclore
Algumas poesias causam o mesmo efeito.
Como aceitar que a maior entidade do esporte mais popular planeta, seja gerida por corruptos e corruptores como tem sido noticiado em relação a FIFA. E entidades nacionais, inclusive a do Brasil (CBF), dancem no ritmo da mesma música?
Como admitir que o comitê olímpico internacional tivesse um dirigente envolvido em fraudes, acobertando casos de doping que seriam quase uma norma geral numa das potências maiores do esporte olímpico, como é o caso da Rússia. A Rússia, hein!?
Que pode ter exportado o know how para Cuba, que conseguiu alguns feitos em competições internacionais, mesmo sendo daquele tamaninho ... e pobre.
Como conviver com políticos desonestos, corruptos e incompetentes decidindo os destinos do país. O Brasil desde há muito deixou de ser um país sério, confiável, decente. Ordem e progresso, palavras estampadas em nossa bandeira, são licença poética ou propaganda enganosa.
Somos um dos 5 (cinco) piores países para a juventude segundo estudo recentemente publicado. Vou repetir, o Brasil está entre os cinco piores países do planeta, em relação a programas e oportunidades para os jovens.
Não consigo conversar sobre religião e muito menos sobre política. Futebol e esportes em geral perdem credibilidade por manobras de bastidores, compras de votos, uso de substâncias proibidas.
Cheguei ao limite da represa, se estourar acabarei por magoar e ferir amigos, ou nem tanto, parentes consanguíneos e por afinidade que por uma razão ou outra são mais tolerantes, lenientes, pacifistas.
Melhor calar e me recolher.

AVISO:
As portas do pub continuarão abertas para quem chegue trazendo assuntos que poderão ser debatidos pelos presentes e passantes.
Ficarei como coruja, só observando.

Riva disse...

Também estou assim, e conheço alguns que também estão. Uma espécie de indignação misturada com impotência.

Coincidência ler seu comentário agora, pois há mais ou menos uma hora atrás escrevi no Facebook que estava dando um tempo ( ... fui ali ...) porque até ali só tinha assunto deprimente, ruim para a alma.

Lembrando os comentários da Ana Maria, lembro também que quando saí para Búzios na 6ª feira, totalmente parado devido ao sinal de trânsito no cruzamento da Mem de Sá com Lopes Trovão, só não voltei para casa devido ao compromisso com meu filho de assistir à maratona. Porque pela multa da pousada eu jogava pro alto ! Nada paga meu aborrecimento no trânsito.

Claro percebi sua ausência, e até imaginei que era por esse motivo .... eu às vezes me pego pensando num tema para escrever um post, mas inspiração é aliada a alto astral, como foi minha estada em Búzios. Aqui, em Niterói, vendo o merdalhal em que nos metemos, está difícil escrever alguma coisa bacana.

Mas vou tentar.

Anônimo disse...

A caipirinha de cajá é para beber ajoelhado para ficar mais próximo do chão na hora de vomitar (argh!!!).

Carlos Frederico disse...

O momento é ruim. Chegamos ao ponto que eu temia. A corrupção grassa livremente qualquer que seja o tema que se aborde, o que demonstra a situação moral da maioria da população. Os eleitos infelizmente refletem esse status quo: a maioria no Congresso e no Senado tem o chamado rabo preso; mesmo que tenham conhecimento da podridão, temem perder suas benesses. Ou temem que seja revelado seus pequenos ou grandes deslizes.

Não se navega nais em redes sociais sem ver brados de indignação explícita. Nomes já são dados aos bois, e haja boi. Não há brejo que os acomode todos. E do que isso adianta? NADA!
Com Congresso e Senado tomados, mesmo com todo o clamor nas redes e na camada social mais intelectualizada, judicialmente não acontecerá nada ou quase nada.
É comentário corriqueiro que o Brasil foi assaltado por uma corja que tem como meta assumir o poder perene. O Brasil definha a olhos vistos e isso parece interessar à tal corja: fica mais fácil dominar um povo sofredor e encolhido. Por isso não reagem às catástrofes, mandam afastar das funções quem os acuse e acintosamente permitem sem punição a manifestação belicosa de MST, CUT, Lula e acólitos.
E os brados de indignação?
Estamos sem representatividade onde seria mais eficaz.

Pra quem não fala de política, ultrapassei meus limites. Cansei...

Riva disse...

Esse AnÔnimo (não sei qual deles) com certeza faz vinco na calça jeans ! Sei não .....

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Riva disse...

Freddy, se a capital da "república" fosse no Rio ou em São Paulo, esse "governo" não existiria mais.

A distância física para Brasília, idealizada pelo JK, desestimula e impede quaquer ação popular, até porque grande parte da população de Brasília hoje é constituída por funcionários do "governo".

Ficamos nós berrando por aí, e eles tomando whisky e rindo por lá. É outro mundo, quem vai lá sabe como é. A essa hora os restaurantes estão fervilhando de engravatados se esgargalando, rindo das situações que causam indignação a todos nós, bebendo e comendo às nossas custas. Um BRASIL BANDIDO, um BRASIL DE MERDA.

Nada institucional resolve isso, nada !

Anônimo disse...

he he he he

Caipirinha se faz com cachaça Velho Barreiro (Pitú ou 51), limão tahiti e um pouco de açúcar. O resto é invenção de coxinha...

Ana Maria disse...

Freddy, existe uma forma de resolver o problema no Brasil. Mas depende e nós. Teríamos que sair da comdidade, da zona de conforto e ir para as ruas.
Mas somos comodistas. Esperams que os outros lutem a nossa luta.
Sabe aqueles casos em que a taxa condominial aumenta absurdamente, que existem evidências de desvios na administração do condomínio, que o elevador vive enguiçado e a limpeza das áreas comuns é precária?
Quantos condôminos comparecem à reunião?
É a mesma coisa.
Isso me lembra o poema de Berthold Brecht :



INTERTEXTO

Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.

Bertolt Brecht

Carlos Frederico disse...

Coxinha é jargão usado por gente que apoia a corja que está se preparando para tomar de assalto o Brasil. Portanto, parte dela, ou que dela pretende se beneficiar.

Lula estava com a faca e o queijo na mão no 1° mandato. Brasil fazendo parte do BRIC, oportunidade ímpar para a consolidação do país no cenário internacional.
Largou a chance de se tornar líder legítimo e reconhecido. Preferiu agir nas sombras para um criminoso projeto de poder. Não precisava... Agora ele, Dilma e PT são alvo da chacota popular, muitos deles antigos seguidores.

Carlos Frederico disse...

Prezada Ana, esse poema parece a adaptação de outro, escrito pelo brasileiro Eduardo Alves da Costa e alvo de intensa polêmica envolvendo Vladimir Maiakovski e Berthold Brecht. Isso dá uma longa conversa - não me sinto preparado, mas na Wikipédia, sob verbete Eduardo Alves da Costa, tem um bom começo.
Posso admitir que nunca o li na versão (adaptação) por você divulgada.
<:o)

Carlos Frederico disse...

Ana, onde estou a internet é tão ruim que passaria o dia tentando esclarecer se é Bertolt, Bertold ou Berthold. Parece que Berthold seria o pai de Bertolt. Fica pra quando retornar a Niterói.
Abraços.

Anônimo disse...

Citar Bertolt Brecht nesse lugar é como atirar pérolas aos porcos. Com todo respeito.
Com raríssimas exceções, de tudo que andei lendo nos últimos meses e buscando postagens mais antigas, ninguém aí tem ideia da importância de Brecht.
Fica, dona Ana, na Ópera do Malandro, do Chico. Aí pode ser, embora duvide, que alguém tenha ouvido.
No teatro? Nem pensar.
Perdão se estou radicalizando, mas a julgar pelos comentários a coisa tá feia.
Vou fazer como o big shot do blog e vou dar um tempo.

Jorge Carrano disse...

Você radicalizou Anônimo. Tanto que me tira do exílio voluntário com meus livros e discos (e nada mais, no dizer do poeta popular), para fazer esta ressalva.
Há vida inteligente (e culta) no blog. É bem verdade que perdi, ao longo destes seis anos de criação deste espaço virtual ( e abertura do pub), interlocutores com muito bom nível intelectual, amantes da literatura, das artes plásticas e cênicas.
Lamento o afastamento, dentre os que me lembre, e conheci pessoalmente, da Esther Bittencourt, da Ricardo dos Anjos, do Gusmão, do Luvanor, e mesmo de meus filhos que desde de muito jovens fizeram da leitura seus pratos de resistência.
A Ana Maria foi traça de biblioteca e leu tudo e todos. Em casa mantinha estante no WC, porque precisava sempre ter um livro nas mãos.
Trafega nos caminhos cheios de armadilhas da filosofia e da sociologia com toda desenvoltura.
Hoje reduziu muito seu ritmo, mas acumulou o suficiente para manter conversas sobre literatura em alto nível. Não ouviu dizer, leu.
Outros participantes, em debates ou posts publicados, também merecem respeito.
Lamento sua fuga, mas a gente tem que aprender a conviver com diferenças. O blog é multicultural e respeita a pluralidade de pensamentos (desde que não de apoio ao PT -rs).
Pense bem, se alguém é infeliz num comentário (ou foge ou tergiversa), pior para ele, não é? Porque alguém vai perceber.

Riva disse...

Na ânsia de esmerdalhar as pessoas, o cara não perguntou antes e portanto não percebeu que estamos falando de VODKA com frutas, bem diferente de caipirinha ... chama-se caipivodka, popularmente.

Com todo respeito, fui ali atirar vermes aos faisões ... eles adoram, para quem não sabe ..... quanto ao ilustre intelectual anônimo, ele deve ter ido fazer vinco nas calças jeans, se é que usa uma.

Anônimo disse...

Está provada a minha tese. A coisa aí tá feia. Caipivodka é? Isso é tolice de metido a bacana e que nem conhece a história da bebida.
Esse “caipi” da caipirinha, é uma referência ao caipira. Porque esta popular bebida foi criada no interior de meu estado de São Paulo. Portanto por caipiras (fazendeiros e trabalhadores rurais).
Botar “caipi” na vodka, bebida estrangeira, para designar este drink é ser muito mal informado. Ou não ter imaginação.

Peço desculpas ao Dr.Carrano. Tem exceções mesmo.

Riva disse...

Ih, voltou rápido !!

Caipivodka, existente nos cardápios de 99,99% dos restaurantes brasileiros, popularizada como a substituição da cachaça pela vodka. E a Smirnoff nacional dá um sabor infinitaente melhor do que se fizer o drink com a vodka importada.

Existe também caipisaquê, nos restaurantes japoneses.

Hmmmm, SP ..... Gambá intelectual inexiste (Lula e Sanchez são os maiores exemplos disso), então será que é da turma dos Bambis ? rsrsrsrs, ou ... Ah, sim, mencionou "porcos", será ?

Tim Tim !!

Carlos Frederico disse...

O anônimo é mentiroso.
Disse que ia dar um tempo nos comentários e não cumpriu.
Por favor, cumpra, para nos poupar de sua pseudo intelectualidade.

Riva disse...

Pelos termos "Dona Ana", "Dr.Carrano", o desconhecimento de um drink popular nacional como a caipivodka, o desconhecimento que a bebida é uma substituição da cachaça pela vodka, dizer que quem criou o nome caipivodka tem falta de imaginação, e o pior, julgar-se mais culto que pessoas que desconhece ..... sei lá ... bem antiquado.

Só entrou no post para dar sacaneadinhas anônimas sem graça, ridículas, e ainda por cima falar mal das pessoas que frequentam e/ou escrevem para o GE. Sua ausência não será percebida.

O Dr. Carrano foi um gentleman em seu comentário.

Pelo perfil deve :

- ser aposentado como nós, para estar aqui escrevendo sem parar numa 6ª feira
- ter uns 146 anos de idade
- curte Waldick Soriano e nunca ouviu falar em Beatles
- torce pelo XV de Novembro de Piracicaba (com todo o respeito ao futebol local) ; aliás tem um belo uniforme
- usa aqueles bigodes com pontas viradas para cima
- ter TV em preto e branco
- usa lampião a querosene em casa
- ainda tem sua bombinha de fleet pra matar mosquitos
- ouve a Voz do Brasil diariamente
- usa lápis e faz ponta com gilete
- seu moderno carro deve ser uma DKW Vemag
- usa sapatos Vulcabras que guardou até hoje - troca a sola no sapateiro
- tem penico embaixo da cama
- e faz vinco na única calça jeans que possui

FLUi

Riva disse...

A internet deu voz a uma legião de imbecis (Umberto Eco) - perfeito, milimetricamente.

A humanidade está de mal com a vida. Pessoas que parecem não ter nenhum prazer em existir, nada bacana a usufruir, confraternizar. Só atazanar o entorno.

Vou dar um tempo para grokar sobre tudo isso ... uma tristeza misturada com indignação e revolta. Uma 6ª feira 13 para não esquecer.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Jorge Carrano disse...

Recebi, entre ontem e hoje, três ligações telefônicas de participantes ativos do blog, curiosos com o teor do comentário que removi.
Como expliquei ao Riva, ao Rick e a Ana Maria, o comentário não continha nada ofensivo ou agressivo. Era bobo, simplesmente tolo, sem graça, embora o objetivo do Anônimo fosse ser engraçado (acho). Ele fez referência à eminente queda do Vasco e ao mesmo tempo do blog.
Não entendi em que sentido o blog estaria sujeito a queda.
Como não estava disposto a alimentar conversa boba, removi (ficou no ar alguns minutos)como mensagem ao Anônimo (esse especificamente) para ver se ele se toca.
# simplesassim

Carlos Frederico disse...

Estou indeciso...
Tenho, como sempre, alguns posts no forno. Um deles praticamente pronto, contando algo sobre minha 4ª estada em Natal, desta vez focada na experiência hoteleira, já que o restante já foi dissecado em 4 posts faz algum tempo.

Só que estamos à beira de uma 3ª Guerra Mundial, que pode ser definitiva por se tratar de uma guerra santa disparada por fanáticos religiosos. No final da 2ª Guerra, os fanáticos japoneses se matavam jogando aviões contra navios, precursores dos atuais homens bomba. A saída foram 2 bombas atômicas, que mostraram aos japoneses que a guerra deles estava perdida.

Novamente estamos às voltas com fanáticos para os quais morrer é a glória, desde que levem consigo dúzias de infiéis - ou seja, todos os que não praticam o islamismo. Apesar do alvo maior serem cristãos e judeus, os fanáticos não aceitam neutralidade. Quem não é islâmico é infiel e deve ser morto ou escravizado. Vale para qualquer recanto do mundo.

Que solução dar em resposta? Bomba Atômica não serve, os terroristas estão infiltrados nas sociedades ocidentais como tentáculos de um enorme câncer. Por incrível que nos pareça, conseguem amealhar simpatizantes dispostos a tudo em países que se tinha como social e politicamente estáveis.

Não bastasse, o Brasil está literalmente imerso em lama. O rompimento das barragens em Mariana, com desdobramento por todo local por onde passa o Rio Doce, é o maior desastre ambiental do país e vem sendo tratado à margem pela mídia e pelo governo.

A lama no governo em si nem falo, deixo para o blog manager...

Será que há espírito para publicação de historinhas sobre praia e caipivodkas?
=8-( Freddy

Riva grokando ... disse...

Freddy, estou meio parecido com vc. Até comentei com o nosso manager, por telefone, que estou já há 4 dias tentando escrever um post.

Veja, quando tenho uma idéia, escrevo o post na mesma hora em no máximo meia hora, escolhendo fotografias, etc. E estou há 4 dias tentando terminar um.

Não tenho motivação. Estou tentando me afastar dos noticiários na TV, na web, no Twitter, Facebook. Só tem notícia ruim. Muito deprimente.

E para completar, olho pela janela e está tudo cinza. Fui caminhar no calçadão, e a paisagem é cinza escura, enfim, e ainda vem uma mala dessas pesada, sem alça, pedante, com piadinhas sem graça, e chamando todos de ignorantes .... me incluam fora dessa, por enquanto.

Repito Umberto Eco : a internet deu voz a uma legião de imbecis. Acrescentaria mais alguns adjetivos, mas .... para que, para quem ?

Vou tentar terminar o post, mas por enquanto está insustentável ! E o título do post é Sustentabilidade ... rs.

Riva disse...

... complementando ....

Vejam como tem pessoas que conseguem arrasar com a astral de outras ... no mundo astral são chamados de Seres Elementais. Um post alegre, sobre uma viagem bacana a uma cidade com muita energia positiva, e o elemental aparece para estragar a festa !

Um infeliz e talvez solitário, por isso mesmo ...

Ana Maria disse...

É, Riva. Uma palavra inconveniente, um sorriso sarcástico ou mesmo o desdem e a indiferença, vinda de quem quer que seja, pode nos derrubar.
Acontece como quando "pegamos" um resfriado com uma brisa inofensiva, num dia de estresse e cansaço. Nossas defesas se anulam e nossa imunidade fica tão baixa que a doença nos derruba.
Estamos com nossa imunidade emocional e social em baixa. Por tudo que vc explicitou, como o medo da intolerância religiosa, da ganância, da incompetência, nos fragiliza a tal ponto que acabamos permitindo que um tiro de festim de um anônimo, em comentário superficial e pueril nos desestabilize.
Já disseram os sábios que nossa mente tem um portal cuja fechadura só abre pelo lado de dentro. Só nos atinge o que permitimos.
Não vamos culpar esses black blocks virtuais por nossa irritação. Ela já existia antes. Apenas aproveitamos o motivo pra desmontar.

Riva em fase grokante disse...

Bom ponto de vista, Ana Maria, muito adequado para o momento. Valeu.